Presença da UDR

Em agosto de 1987 o deputado estadual João Carlos Batista, do plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Pará, revelou ter sido informado de que uma deputada estadual (sem citar o nome de Maria de Nazaré, a única mulher com mandato naquela legislatura) teria feito um acordo com dirigentes da UDR (União Democrática Ruralista) de Paragominas.

Por esse acordo, que previa uma alta recompensa em dinheiro, segundo o parlamentar, Nazaré se licenciaria por mais de 120 dias, a fim de permitir que o primeiro suplente do seu partido, o PMDB, Carlos Xavier, assumisse sua vaga para defender os interesses da UDR e comandar uma reação às denúncias feitas pela entidade contra o próprio João Batista.

(A Província do Pará, Belém/PA, 06/08/1987)