Reserva Yanomami invadida

Em 17 de maio de 1989 o Ministério Público Federal ajuizou uma ação contra a União, reclamando a interdição das pistas de pouso existentes na área dos índios Yanomami e a expulsão dos garimpeiros que tinham invadido a reserva. O procurador Oswaldo José Barbosa, autor da ação, denunciou a existência de 60 a 70 pistas de pouso dentro do território indígena e cerca de 50 mil garimpeiros.

A maioria das pistas era clandestina, mas algumas foram construídas pela Funai ou pelo Projeto Calha Norte. A ação foi distribuída para a 9ª vara da justiça federal de Brasília e o pedido de liminar entregue ao juiz de plantão, Luciano Tolentino Amaral.

(Folha de S. Paulo, São Paulo/SP, 18/07/1989)