A invasão da Jari

Em julho de 1980 o Iterpa (Instituto de Terras do Pará) denunciou a Jarí Florestal e Agropecuária, de propriedade do milionário americano Daniel Ludwig, de ter invadido terras do Estado situadas ao norte de seus limites, onde desmatou 3.800 hectares.

O Estado arrecadou e matriculou em seu nome essa área, compreendida por duas glebas – Paru I e Paru II – somando 800 mil hectares, para nela implantar um projeto de colonização.

Ao entrar nas terras, a empresa teria praticado quatro crimes: esbulho possessório, dano qualificado, invasão de terra pública e contravenção penal, por derrubar árvores sem a autorização do IBDF (Instituto Brasileiro do Desenvolvimento Florestal – atual Ibama).

(O Estado de S. Paulo, São Paulo/SP, 19/07/1980)