Alcoa e a bauxita

Em novembro de 1980, o governo federal decidiu sustar a operação de venda, em vias de conclusão, pelo grupo Ludwig, de uma jazida de bauxita no Trombetas, no Pará, à Alcoa. O governo recebeu informações de que a jazida teria um volume de minério muito maior do que o declarado, 900 milhões de toneladas e não 500 milhões, segundo um relatório apresentado pela Docegeo, empresa de pesquisa geológica subsidiária da Companhia Vale do Rio Doce. Assim, a Alcoa se tornaria detentora de mais de 10% de todas as reservas brasileiras de bauxita, o que o governo considerava inaceitável.

(O Estado de S. Paulo, São Paulo/SP, 19/11/1980)