Seringueiros mortos

Segundo levantamento do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Brasiléia, 150 seringueiros foram mortos no Acre entre as décadas de 1970 e 80. A violência só se tornou mais conhecida com o assassinato de Chico Mendes.

Apesar de todo o impacto internacional que ela provocou, entretanto, os crimes prosseguiram: outros três dirigentes sindicais do Acre foram mortos nos meses seguintes. Para se fortalecer, os seringueiros se uniram aos índios da Aliança dos Povos da Floresta.

(Jornal do Brasil, Rio de Janeiro/RJ, 15/02/1990)