O almirante do Gebam

Em março de 1987 o contra-almirante Roberto da Gama e Silva pediu para sair e foi dispensado da presidência do Grupo Executivo para o Baixo-Amazonas (Gebam), subordinado à Secretaria-Geral do Conselho de Segurança Nacional.

Para o lugar dele foi nomeado o contra-almirante Ivan Simas de Oliveira. Voltando ao serviço ativo da Marinha, Gama e Silva foi nomeado para o Comando do Controle Naval do Tráfego Marítimo, com sede no Rio de Janeiro.

O almirante foi acusado, em 1986, pelo senador amazonense Fábio Lucena, de ter contrabandeado um carro e aliciado votos no Amazonas contra o candidato do PMDB ao governo, Gilberto Mestrinho. Gama e Silva propôs uma ação por calúnia e difamação contra Lucena perante o Supremo Tribunal Federal.

(Folha de S. Paulo, São Paulo/SP, 14/03/1987)