O ganho do trabalhador

Um trabalhador com carteira assinada ganhava no Amazonas, em 2000, um salário médio de 763 reais, acima do equivalente nacional, que era de R$ 740, e abaixo apenas do Distrito Federal (líder em salário, com R$ 1.049), São Paulo e Rio de Janeiro.

Em 1999, a média salarial amazonense fora de R$ 716 e a nacional, R$ 705, segundo levantamento da Previdência Social, através do Guia de Recolhimento do FGTS e das Informações à Previdência Social (GFIP). Na segmentação por setores, o que apresentou maior rendimento foi o agropecuário/extrativista, com ganhos médios mensais de R$ 1,6 mil.

Nas indústrias leves e pesada as médias foram de R$ 964 e R$ 934. Esses valores, segundo o estudo, resultam da concentração da atividade produtiva na Zona Franca de Manaus.

Mas ressaltavam que a estatística se restringia aos trabalhadores com carteira assinada, incluindo todos os níveis funcionais. Segundo a Previdência Social, havia no Amazonas então 122.187 vínculos empregatícios fora do regime da CLT.

(Gazeta Mercantil Pará, Belém/PA, 11/04/2001)