Médici na Transamazônica

O presidente Emílio Garrastazu Médici visitou pela primeira vez a Amazônia, em 9 de outubro de 1970, para dar início, em Altamira, no Pará, à construção da rodovia Transamazônica.

Seria “uma arrancada histórica para conquista e colonização desse gigantesco  mundo verde”, conforme a inscrição de uma placa de bronze que foi encravada no tronco de uma árvore, a 6 quilômetros de Altamira, centro da colonização, então uma cidade com 15 mil habitantes.

Em setembro de 1971, Médici voltou à região para percorrer uma parte do trecho já aberto da estrada. E em 27 de setembro de 1972 comandou a solenidade de inauguração do primeiro grande segmento da estrada, entre os rios Tocantins e Tapajós, “traduzindo a determinação do povo brasileiro de construir um grande e vigoroso País”, conforme os dizeres de uma nova placa de bronze, afixada no mesmo local, transformado em praça-monumento. Esse trecho tinha 1.253 quilômetros, entre Estreito, no Maranhão, e Itaituba, no Pará, inteiramente terraplanados, pista de mão dupla, com uma plataforma de 8.60 metros.

O presidente também inaugurou a Agrovila Brasil Novo, no km 50, pernoitando com sua comitiva no motel construído pelo Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Antes de inaugurar a Transamazônica, Médici esteve em Santarém para inspecionar as obras do porto local e a abertura da rodovia Cuiabá-Santarém (BR-163).

(Folha do Norte, Belém/PA, 01/10/1972)