Contra a borracha amazônica

Em dezembro de 1961 o presidente do Conselho de Ministros, Tancredo Neves, assinou decreto liberando a borracha sintética fabricada pela Petrobrás do monopólio estatal exercido pelo Banco de Crédito da Amazônia. A medida foi criticada por representantes da região e pelo próprio presidente do BCA, Raimundo de Alcântara Figueira, por contrariar a lei 1.184, de 30 de agosto de 1950, que criou o monopólio estatal da borracha.

(Folha do Norte, Belém/PA, 07/12/1961)