Madeira ilegal no Xingu

A Operação Xingu, comandada pelo Ibama e pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, à frente de outros órgãos da administração federal, foi encerrada em novembro de 2000 com a apreensão de 15 mil metros cúbicos de madeiras nobres, principalmente mogno, extraídas ilegalmente da reserva indígena Kayapó, no sul do Pará.

O Ibama constatou ser irregular o funcionamento da maioria das madeireiras e serrarias de São Félix do Xingu e Tucumã, os maiores centros de produção da região.

A segunda etapa da operação consistiu na implantação de postos de controle ao longo do rio Xingu para impedir o transporte fluvial de madeira ilegal. Embora retiradas de áreas protegidas, as árvores são acompanhadas de autorizações do Ibama, que são concedidas para uma área e desviadas para outra, caracterizando a fraude.

(Diário do Pará, Belém/PA, 08/11/2000)