O Japão e a recuperação da floresta

A Jica (Agência de Cooperação Internacional do Japão) iniciou, em maio de 2001, a terceira etapa do projeto Estudos das Alternativas para Recuperação de Áreas Alteradas e Degradadas no Estado do Pará, juntamente com a Sectam (Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente do Estado). A meta era reintegrar no processo de reflorestamento 100 mil hectares por ano.

A principal área, conhecida como “arco do desmatamento”, abrange terras que mais foram atingidas por queimadas e desmatamentos na Amazônia. O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (Proeco) seria coordenado por Yukihide Katsuta, diretor da Jica.

(O Liberal, Belém/PA, 24/05/2001)