Polícia prende Kayapós

Normal
0

21

false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE

MicrosoftInternetExplorer4

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:”Times New Roman”;
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

Em agosto de 1985, uma tropa da Polícia Militar invadiu a reserva Kayapó, no sul do Pará, e prendeu cinco guerreiros da aldeia Gorotire. Os policiais foram chamados pelos fazendeiros, estabelecidos no limite sul da reserva. O litígio entre fazendeiros e índios foi provocado pela não demarcação dos 3,3 milhões de hectares da reserva. A invasão da PM e a prisão dos guerreiros provocou reação dos Kayapós.

(O Liberal, Belém/PA, 28/08/1985)