Agente laranja na Amazônia

O naturalista Roberto Burle Marx denunciou, em fevereiro de 1976, o uso nos desmatamentos na Amazônia do “agente laranja”, um desfolhante químico empregado na guerra do Vietnam. Lançado de avião, em poucas horas o produto provocava a queda de todas as folhas da floresta.

Por possuir na sua composição uma impureza, a dioxina, o “agente laranja” é um veneno altamente tóxico e de efeito teratogênico, isto é, pode causar o câncer. Burle Marx disse que o uso desse desfolhante podia provocar “grave desequilíbrio ecológico na região”. Responsabilizou o IBDF (Instituto Brasileiro do Desenvolvimento Florestal) por “omissão criminosa” diante da devastação da Amazônia”.

(O Estado de S. Paulo, São Paulo/SP, 04/02/1976)