A proximação dos waimiri-atroari

Em janeiro de 1973, os índios waimiri-atroari do posto Kamaraú, no Estado do Amazonas, impediram o trabalho do cinegrafista francês Raul Lambert, que documentava a tribo. A Funai explicou que o cinegrafista não chegou a ser expulso da aldeia.

A reação se originou de um desentendimento: os índios já conheciam máquinas fotográficas, mas jamais haviam visto uma câmara de cinema e se assustaram com o aparelho, quando o francês o empunhou na direção de alguns integrantes da tribo, comandada pelo cacique Maruaga.

Os waimiri-atroari ganharam destaque internacional quando mataram os 12 integrantes da expedição Calleri, em 1968. Até 1972, eram considerados arredios nos mapas da Funai. A partir daí passaram à classificação de “em contatos intermitentes”, graças aos trabalhos de Gilberto Pinto, considerado um dos melhores sertanistas da Funai.

Fonte: Jornal do Brasil (Rio de Janeiro/RJ, 25/01/1973)