Reformulação do projeto de bauxita

Em 1974, a Mineração Rio do Norte reformulou seu projeto para o aproveitamento econômico das jazidas de bauxita do vale do rio Trombetas, no Pará, com 500 milhões de toneladas de minério. O projeto original foi elaborado pela empresa canadense Alcan, que possuía sozinha o empreendimento.

A Companhia Vale do Rio Doce, ao se associar ao empreendimento, criou uma nova empresa, a Valenorte, que ficou encarregada de realizar os novos estudos de viabilidade. Para uma produção de 3,35 milhões de toneladas de bauxita, que seria alcançada em 1980, o investimento foi calculado em 280 milhões de dólares.

Nessa época, eram sócios no empreendimento a Companhia Vale do Rio Doce, com 41% do capital, Alcan (10%), Companhia Brasileira de Alumínio, do grupo Votorantim (10%), Instituto Nacional de Indústria (5%), Reybolds Alumínio do Brasil (5%), Mineração Rio Xingu (5%), Rio Tinto Zinc do Brasil (5%), A/S Aardal Og Sunndal Verk (5%) e Norsk Hydro (5%).

Fonte: O Liberal (Belém/PA), 24/02/1976