Demitido presidente da Funai

Em junho de 1991, o ministro da Justiça, Jarbas Passarinho, demitiu o presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), Cantídio Guerreiro Guimarães. Ele foi acusado pelo administrador do Parque do Xingu, o cacique Megaron Txukarramãe, de ter “abusado” de uma índia da tribo caiabí, tomar banho nu com os índios e fotografar índias nuas. Representantes de 70 nações indígenas confirmaram a denúncia, assinada por 58 chefes.

O motivo oficial apresentado para a demissão, entretanto, foi a “inoperância” do presidente da Funai, que não apresentou qualquer levantamento para a demarcação da reserva Yanomami, dois meses após a constituição de comissão com essa finalidade. Além disso, a Funai nada teria feito para impedir o retorno de garimpeiros à área dos índios, depois que de lá eles foram expulsos.

FONTE: O Globo (Rio de Janeiro/RJ), 24/06/1991