Estradas de integração

A BR-174 liga Manaus à fronteira com a Venezuela, numa extensão de 970 quilômetros. Sua construção foi subdividida em quatro trechos. O primeiro, de Manaus à divisa entre Amazonas e Roraima, com percurso de 284 quilômetros, entregue ao Departamento de Estradas do Amazonas.

O segundo trecho ia dessa divisa até a cidade de Caracaraí, o porto fluvial da capital roraimense, com 335 kms. O terceiro trecho, entre Caracaraí e Boa Vista, com 141 kms, foi concluído em 1967, tendo uma ponte de 210 metros sobre o rio Mucajaí, construída pelo DNER. O quarto trecho, entre Boa Vista e Santa Elena, na Venezuela, com 210 quilômetros. Já a BR-319, entre Manaus e Porto Velho, teria quase 800 kms de extensão.

Sua construção foi atacada em três frentes, estabelecidas em Manaus e Humaitá. no Amazonas, e Porto Velho, em Rondônia. A obra foi delegada ao DER do Amazonas.

O trecho da BR-364 (Brasília-Acre) entre Cuiabá e Porto Velho, com 1.500 quilômetros de extensão, foi construído pelo DNER e depois entregue ao 5º Batalhão de Engenharia de Construção do Exército para manutenção e complementação. No final da década de 60 o 5º BEC, com 3.500 homens, tinha a maior concentração de máquinas pesadas em atividade no país.

Fonte: A Província do Pará (Belém/PA), 30/06/1968