Os prejuízos dos grandes lagos

Em agosto de 1968, ao depor na CPI da Câmara Federal sobre os Grandes Lagos, o subchefe do Estado Maior da Armada, almirante Mário Rodrigues da Costa, afirmou que o projeto, concebido pelo Hudson Institute, dos Estados Unidos, era ” inadequado e inaceitável sob o ponto de vista do interesse nacional”.

Argumentou que a navegação fluvial, além de não obter grandes melhorias com o represamento do rio Amazonas, proposto pelo Hudson, seria prejudicada porque as redes dos afluentes ficaram isoladas entre si, não permitindo o acesso de navios de grande calado, que já chegavam até Manaus ou mesmo Iquitos, na fronteira com a Colômbia, nas condições naturais.

Apontou também para os “numerosos riscos representados pelo eventual rompimento de uma barragem no local previsto nos planos”. Enfatizou os inconvenientes que os próprios autores da ideia, Herman Kahn e Robert Panero, haviam admitido: inundação da quase totalidade das terras amazônicas de valor agrícola, destruição de atividades produtivas então essenciais, como borracha e juta, e o alagamento de centros urbanos como Santarém, Parintins, Itacoatiara, Moura, Tefé e grande parte de Manaus, segundo o mapa traçado pelo engenheiro Felisberto Camargo por encomenda do Hudson.

Fonte: Jornal do Brasil (Rio de Janeiro/RJ), 29/08/1968