Primeiros contatos com os panará

Os irmãos Orlando e Cláudio Vilas Boas, sertanistas da Funai, fizeram os dois primeiros contatos com os índios conhecidos então como kreenakarore (na verdade, panará), que se mantinham em isolamento, num intervalo de dois dias. O mais consistente foi no início de fevereiro de 1973, às margens do rio Peixoto de Azevedo, em Mato Grosso, onde haviam montado um acampamento para sua frente de atração.

Os Vilas Boas estavam casualmente no local, acompanhados de jornalistas e outros integrantes da expedição, quando, do outro lado do rio, apareceram dois índios jovens, aparentando 18 e 20 anos. A aproximação foi tensa da parte dos índios, que estavam dispostos ao contato, mas aparentavam medo e nervosismo.

Houve troca de presentes entre os sertanistas e os kreenakarore, na época mais conhecidos como “índios gigantes”, e uma tentativa de se fazer entender, dificultada porque nem mesmo os índios xinguanos que acompanhavam os Vilas Boas entendiam a língua dos dois guerreiros. Entoando um canto, eles desapareceram no meio da mata, enquanto os sertanistas voltavam ao acampamento.

Fonte: O Estado de S. Paulo (São Paulo/SP), 10/02/1973