Ver-o-Peso

No início de 1972, no mercado do Ver-o-Peso, em Belém, ainda estavam de pé os clippers, terminais de ônibus e pontos de venda. Eles atravancavam o trânsito e se tornaram lugares anti-higiênicos pelo mau uso. Mas certamente teria sido melhor que fossem mantidos, desde que submetidos a nova regulamentação. Eram um elemento de época, de que davam testemunho suas linhas arquitetônicas. O maior problema não eram essas construções, mas o caótico transporte coletivo, ontem e hoje.

(Arquivo Pessoal, 1972)