Malária assola Mato Grosso

Em julho de 1989, o prefeito de Peixoto de Azevedo, Vilmar Antônio Pinto, decretou estado de calamidade pública nesse município do norte de Mato Grosso, porque 25% de seus 80 mil habitantes estavam com malária. O número de novos casos aumentara de 100 para 300. O estoque de medicamentos fora reduzido a zero. Estavam com malária 40% dos 160 mil garimpeiros da região, que, em 30 áreas auríferas, produziam 500 quilos de ouro por mês.

Fonte: O Globo (RJ), 09-07-1989