Garimpo e crime

No final de 1980, a Polícia Federal do Amazonas estourou os garimpos de Rosa de Maio, Serra Morena e Comandante Peres, que eram controlados pelo garimpeiro Francisco de Assis Moreira, o Zezão. Ele foi preso sob a acusação de contrabando internacional de ouro, tráfico de drogas, exploração de lenocínio e por submeter a regime de escravidão seus trabalhadores, que chegaram a somar três mil.

Quatro americanos – Elaine, John, Michael e Peter – também foram presos. Apenas com vistos de turistas, eles coletavam ouro com máquinas sofisticadas, exportando o metal em pó, mais valorizado nos Estados Unidos (por ser mais puro) do que o ouro em barra.

Zezão confessou à PF, em Manaus, que 28 cadáveres estavam enterrados na cabeceira da pista de pouso do garimpo Rosa de Maio. Ele teria matado dois garimpeiros, mas disse que foi em legítima defesa.

Fonte: O Liberal (Belém/PA), 22-03-1980