O escândalo da Capemi

O juiz da 13ª vara de falências e concordatas do Rio de Janeiro, Luís de Sousa Gouvêa, excluiu de sua sentença, dada em fevereiro de 1986, 13 das 16 pessoas denunciadas pelo curador Hélio Gama como envolvidas em irregularidades no projeto para a extração de madeira da área do reservatório da hidrelétrica de Tucuruí, no Pará. O empreendimento foi entregue pelo governo à Agropecuária Capemi.

Dentre os excluídos pelo juiz estavam dois generais, um coronel, um irmão e um primo-irmão do chefe da agência central do SNI (Serviço Nacional de Informações), Newton Cruz; dois genros de um deles, o irmão do então prefeito do Rio de Janeiro, o filho caçula do presidente João Figueiredo, Paulo Figueiredo, e um sócio dele.

Foram denunciados apenas o ex-superintendente da Agropecuária Capemi, Fernando José Pessoa dos Santos; o diretor da Capemi Distribuidora de Valores, Luiz Cacciatore Arroba Martins; e o ex-coordenador geral do projeto de Tucuruí pelo Ministério da Agricultura, Roberto Amaral.

Fonte : O Estado de S. Paulo (SP), 13 de março de 1984

O crime do Lago Batata

A ameaça de destruição do Lago Batata, no município de Oriximiná, no Pará, preocupava os ecologistas em 1986. O problema resultava do despejo de argila não aproveitável na extração do minério de bauxita pela Mineração Rio do Norte. A deposição começou a ser feita em 1979 no igarapé Caranã, que teve seus cinco quilômetros quadrados completamente destruídos. Esgotado o igarapé, a mineradora passou a jogar a “lama vermelha” no Lago Batata.

Em 1986, a empresa garantia que a área afetada representava apenas 1,5% da extensão do lago, mas os ecologistas calculavam um dano muito maior. A profundidade do lago, originalmente de três metros, foi reduzida então para 30 centímetros, dificultando a circulação de barcos. Contendo materiais argilosos muito finos, a lama se mantinha em suspensão na água. Sua deposição diminuía o teor de oxigênio no lago e impedia a penetração da luz do sol, prejudicando a vegetação e a fauna aquática.

Fonte : A Província do Pará (Belém), 12 de julho de 1986

Ataque de garimpeiros

Em março de 1984, garimpeiros invadiram as instalações da mineradora Ouronorte, no igarapé do Cuca, em Tucumã, município de São Félix do Xingu, no Pará. Mataram dois seguranças da empresa com mais de 100 tiros. A firma detinha direitos de lavra sobre 22 mil hectares, para ouro. A notícia da descoberta do metal atraiu levas de garimpeiros. A Ouronorte alegou que a invasão foi planejada por aventureiros, que se faziam passar por garimpeiros.
Fonte : Diário do Pará (Belém), 6 de maio de 1984

Os generais e a Amazônia

O jornal New York Times defendeu, em editorial publicado em fevereiro de 1989, a utilização de parte da dívida externa brasileira, calculada então em 115 bilhões de dólares, para impedir a continuação da destruição da floresta amazônica. Observou o periódico novaiorquino que o ministro do exterior, o ex-governador de São Paulo Abreu Sodré, aprovou a iniciativa, mas ela foi vetada pelo presidente José Sarney. O presidente estava empenhado em não permitir que a Amazônia se transformasse num “Golfo Pérsico verde”. Esses temores, segundo o jornal, “carecem de fundamento e foram elaborados pelos generais”.

Fonte : O Liberal (Belém), 4 de fevereiro de 1989

A chegada dos chineses

Uma delegação chinesa esteve pela primeira vez na Amazônia entre os dias 20 e 21 de julho de 1988, durante a terceira visita feita ao Brasil. Eram dirigentes do Ministério de Geologia de Recursos Minerais, que passaram dois dias conhecendo a jazida de minério de ferro da Serra dos Carajás, no sul do Pará, considerada a mais rica do mundo. Mesmo com uma produção significativa desse minério, os chineses também o importavam do Brasil. A visita fazia parte de um acordo de cooperação técnica entre os dois países nos setores de mineração e agricultura.

Fonte: O Liberal (Belém/PA), 23/07/1988

Nepotismo no TCM

Em março de 1986, o advogado William Fontenelle Chaves ajuizou, no fórum de Belém, ação popular contra o governador do Pará, Jader Barbalho, o vice-governador Laércio Franco, e o presidente da Assembleia Legislativa, Hermínio Calvinho. Acusou-os de serem os responsáveis pelas nomeações irregulares, para o Conselho de Contas dos Municípios, sem concurso público.

Foram admitidas 16 pessoas, entre os quais oito parentes do governador e do vice, um parente do senador Hélio Gueiros e outro de um político também do PMDB, e outros dois contratados eram ligados intimamente a Barbalho e Franco.

O nepotismo beneficiava dois sobrinhos do governador, duas irmãs e uma sobrinha de sua esposa, Elcione Barbalho, e uma filha de um líder do PMDB (atual MDB), que era também presidente de uma empresa estatal de navegação. Na ação, o advogado ressaltava que a lei veda a nomeação de funcionários públicos admitidos sem concurso, pedindo a impugnação das admissões e a responsabilização dos réus.

Fonte: Arquivo Pessoal, 06/03/1986

Garimpeiros atacam mineradora

Em fevereiro de 1986, cerca de 1.500 garimpeiros invadiram a mina de ouro da Oca Mineração no garimpo de Itatá, em Altamira, no Pará. Dias depois da invasão, que interrompeu as atividades da empresa, os garimpeiros montaram uma emboscada, da qual agentes da Polícia Federal e funcionários da empresa saíram feridos.

O governo do Estado interveio para tentar negociar uma saída, mas os garimpeiros, para pressionar pela saída da empresa da área, ocuparam durante quatro horas a cidade de Altamira, depredaram e saquearam prédios públicos, desligando a energia e bloqueando o tráfego na rodovia Transamazônica. A situação só se normalizou com a intervenção do 51º Batalhão de Infantaria de Selva do Exército.

Fonte: Arquivo Pessoal, 03/03/1986