Tamanho da Vale no Pará

Em 1992, os investimentos da Companhia Vale do Rio Doce no Pará somavam pouco mais de 5,5 bilhões de dólares, aos quais seriam acrescidos, nos cinco anos seguintes, mais US$ 1,56 bilhão na implantação de três novos projetos: a fábrica de alumina da Alunorte, em Barcarena; o caulim de Ipixuna e o cobre do Salobo, em Carajás.

Aos empregos e rendas que o sistema CVRD possibilitava, direta ou indiretamente, a 50 mil pessoas no Estado, seriam aduzidos, por esses novos empreendimentos, 12.350 novos empregos diretos, na fase de implantação, e 10.300, diretos e indiretos, na fase de operação.

Em 1992, a Vale, por suas controladas e coligadas, gastou US$ 144 milhões no Pará, sendo US$ 80,7 milhões de impostos, que representaram um quarto de toda a receita tributária estadual, e US$ 63,4 milhões em compras e serviços, não incluindo nesse total as aplicações da Fundação Vale do Rio Doce e da Alunorte, que na época se encontrava paralisada.

Carajás foi a maior fonte de impostos naquele ano, com US$ 41 milhões, vindo depois a Albrás, com US$ 21 milhões, e a Mineração Rio do Norte, com US$ 18 milhões. Em compras e serviços, os gastos foram de US$ 32 milhões pela Albrás, US$ 23 milhões por Carajás e US$ 6,6 milhões pela Mineração Rio do Norte.

Fonte: O Liberal (Belém/PA), 11-04-1993

Vale lucra em 1991

A Companhia Vale do Rio Doce faturou, em 1991, quase 2,4 bilhões de dólares, 5,5% a mais do que no ano anterior, dos quais US$ 1,4 bilhão com a venda de 67 milhões de toneladas de minério de ferro. O lucro líquido da empresa ficou abaixo de US$ 300 milhões, mas foi quase três vezes maior do que o de 1990. Seu endividamento líquido era de US$ 1,5 bilhão. Ela investiu US$ 222 milhões em 1991, principalmente comprando equipamentos mais modernos para reduzir custos.

Fonte : Folha de S. Paulo (São Paulo/SP), 26-01-1992

Celulose da Vale no Maranhão

A Companhia Vale do Rio Doce decidiu iniciar, em 1992, a implantação do projeto da Celmar (Celulose do Maranhão S/A), em Imperatriz, ficando com 30% do capital, enquanto a empresa japonesa Nisso Iwai teria 15%. Os 55% restantes seriam distribuídos entre a Cia. de Papéis Simão e a Ripasa.

Começando no mesmo ano, o projeto de reflorestamento – desenvolvido em áreas degradadas – consumiria 200 milhões de dólares até 1998, quando já haveria madeira para ser usada.

Somente a partir de 1999 os sócios começariam a desembolsar US$ 500 milhões para iniciar a fase II da Celmar, implantando em módulos a unidade de produção de 500 mil toneladas de celulose e uma futura fábrica de papel. Toda a produção seria destinada à exportação.

(Arquivo Pessoal, 1993)

Pepsi em Belém

O “refrigerante da amizade”, concorrente mundial da Coca-Cola a partir do quartel-general nos Estados Unidos, a Pepsi-Cola, chegou a Belém no dia 9 de setembro de 1958, depois de se instalar em apenas outras cinco cidades brasileiras até então. (Manaus, Recife, Porto Alegre, Pelotas e Belo Horizonte). Na capital dos paraenses, o refrigerante seria engarrafado e distribuído por Produtos Vitória, com sua fábrica instalada na então distante avenida Almirante Barroso 1885, em meio a uma das maiores campanhas de publicidade já realizadas.

Os fabricantes manifestavam a convicção de que o consumidor de Belém  iria adorar o novo produto, “por sua alta qualidade, por seu sabor inigualável, por sua pureza e integridade”. Depois do “grande lançamento”, cujo sucesso “superou a expectativa”,  a Vitória prometia que a Pepsi servida aos paraenses continuaria a ser “o mesmo delicioso refrigerante, inalterável, puríssimo, saudável, refrescante”.

(Arquivo Pessoal, 1958)