Kayapós expulsam garimpeiros

Cerca de 200 índios kayapó, da aldeia Gorotire, no sul do Pará, expulsaram cinco mil garimpeiros que ocupavam o garimpo Maria Bonita, e Redenção, agindo de surpresa, no dia 1º de abril de 1985. Os índios reclamavam do não pagamento do dízimo da exploração do ouro pela Caixa Econômica Federal. Ante a iminência de um conflito, o governo mobilizou até um avião Búfalo para evacuar os garimpeiros da área, situada no interior da reserva indígena. A maioria dos garimpeiros ficou em Redenção.

(O Liberal, Belém/PA, 12/04/1985)

Morte entre garimpeiros

Doze garimpeiros morreram e cerca de 10 ficaram feridos em dois tiroteios ocorridos em novembro de 1989, nos garimpos da região de Parima, em Roraima, região habitada pelos índios Yanomami. Os tiroteios foram provocados por desavenças entre os próprios garimpeiros, em incidentes envolvendo mulheres e bebidas.

(Folha de S. Paulo, São Paulo/SP, 24/11/1989)

Os japoneses e o ouro

Em agosto de 1989, a firma Rio Amazonas Representações, do economista japonês Akio Miyake, assinou convênio com a Bishmetal Exploration, subsidiária da Mitsubish Metal Company, e o Sindicato Nacional dos Garimpeiros, para o fornecimento de tecnologia de exploração do ouro de Serra Pelada, no Pará, e administração da compra de ouro.

Uma equipe de técnicos da Bishmetal esteve no garimpo fazendo levantamentos nos rejeitos da extração manual, onde ainda seria possível fazer a recuperação do ouro através de uma mina, que custaria 15 milhões de dólares.

O projeto foi apresentado na época ao governo federal, mas não evoluiu, até que o jornal O Globo, do Rio de Janeiro, o apresentou – em fevereiro de 1990 – como parte de um projeto ainda mais amplo para os japoneses comprarem a dívida externa brasileira em troca do direito de explorar todas as jazidas de ouro existentes na Amazônia. As reservas medidas de ouro do Brasil eram, na época, de 1.500 toneladas, colocando-o em quinto lugar no “ranking” mundial.

Vários técnicos, porém, consideravam que as reservas podiam chegar a 33 mil toneladas, superiores às da África do Sul. Em 1987 a produção oficial de ouro no Brasil foi de 35,8 toneladas, inferior às da África do Sul, União Soviética, Estados Unidos, Canadá, Austrália e China.

Técnicos do DNPM (Departamento Nacional da Produção Mineral) achavam, entretanto, que a produção declarada dos garimpos era apenas 20% da produção efetiva. Havia no Brasil 17 áreas reservadas à garimpagem legal, com uma população de 283.800 pessoas.

(O Globo, Rio de Janeiro/RJ, 06/02/1990)

Polícia prende polícia

O delegado da polícia civil do Pará no garimpo de Serra Pelada, Édson Oliveira Ferreira, e os investigadores Paulo Gomes da Silva e José Silva, foram presos, em dezembro de 1987, por um delegado e quatro agentes da Polícia Federal. Ao ser preso e algemado, o delegado estava com uma substância conhecida como bucha, que era vendida na região como se fosse ouro por sua semelhança com o metal.

Os agentes federais, armados de metralhadora, acusaram o delegado da polícia civil de enganar os garimpeiros, prendendo-o, junto com os investigadores, no quartel do 4º Batalhão da Polícia Militar, em Marabá. No mesmo dia os três foram soltos, graças a um mandado judicial, e retornaram a Serra Pelada.

O comandante da PM, tenente-coronel Reinaldo Pessoa Chaves, disse que a prisão fora ilegal porque a bucha estava dentro de uma repartição pública, depois de ter sido apreendida pelo delegado, que a mantivera guardada à espera de reclamação/ Atribuiu o incidente à “incompatibilidade que sempre existiu entre as polícias federal e estadual”.

(O Liberal, Belém/PA, 22/12/1987)

Bolsa do ouro

Em agosto de 1994, foi instalado o Mercado Secundário de Ouro do Pará e criada a Bolsa de Ouro, no município de Itaituba, funcionando na agência local do Banco do Brasil. Na época havia oito corretoras credenciadas pelo banco para operar no mercado de ouro, que passava a contar também com a fundidora Degussa.

(Diário do Pará, Belém/PA, 08/08/1994)

O descaminho do ouro

Ao longo da década de 1980, o Pará produziu 159,8 toneladas de ouro, segundo os registros oficiais. Mas o DNPM (Departamento Nacional da Produção Mineral) calculava que apenas 20% da produção efetivamente obtida foram declaradas.

O descaminho do ouro teria alcançado 514,8 toneladas no período. Esse total não inclui, entretanto, as perdas do metal nos garimpos, consideradas muito grandes. A quase totalidade do ouro produzido na década de 80 originou-se de garimpos, responsáveis, na Amazônia, por metade da produção nacional.

(Diário do Pará, Belém/PA, 03/03/1991)

Garimpo destruidor

Em 1988, setores do governo de Mato Grosso calculavam que 350 mil pessoas (cerca de 10% da população do Estado) trabalhavam em garimpos, à cata de ouro e diamante. Só de ouro, 60 toneladas estariam sendo desviadas da comercialização regular pelo contrabando.

Os efeitos da garimpagem eram danosos ao meio ambiente. Em Aripuanã, por exemplo, 30 mil homens, cavando atrás de diamante, estavam inutilizando as águas do rio Juína, antes usadas no abastecimento doméstico da população do município.

Os danos causados ao Pantanal pelo garimpo de Poconé levariam 100 anos para ser recuperados. O rio Bento Gomes, que antes fornecia água potável para uma região de mais de 23 mil habitantes, ficou comprometido pelo assoreamento de suas margens por causa do mercúrio que passou a transportar.

(Folha de S. Paulo, São Paulo/SP, 29/08/1989)