O garimpo da Cutia

Em 1988 surgiu o garimpo da Cutia, no município de Curionópolis, no sul do Pará. Milhares de pessoas, muitas delas deslocadas do garimpo de Serra Pelada, às proximidades, já em decadência, foram atraídas pela notícia da descoberta de uma nova jazida de ouro.

Para poder reter o minério fino durante a lavagem do cascalho, os garimpeiros precisavam usar uma grande quantidade de mercúrio, que contaminou o único riacho da localidade, além de poluir o ar no momento da queima do metal. O garimpo, ocupando 150 hectares, evoluiu da mesma forma caótica de Serra Pelada, que surgiu em 1980.

(O Liberal, Belém/PA, 23/06/1988)

Garimpeiros atacam mineradora

Uma semana depois de terem invadido e destruído as instalações da empresa Oca Mineração, no município de Senador José Porfírio, no Pará, garimpeiros organizaram uma emboscada e feriram nove pessoas na área, em fevereiro de 1986. Três dos feridos eram agentes da Polícia Federal, um funcionário do DNPM e três funcionários da própria empresa.

Outros dois feridos foram uma mulher e seu cachorro, que haviam embarcado como caronas no carro alvo da emboscada. O ataque foi para tentar forçar a empresa a abandonar a lavra experimental de ouro que havia montado na área, na mina do Itatá.

(A Província do Pará, Belém/PA, 14/02/1986)

Garimpo do Amazonas

O garimpo mais antigo do Estado do Amazonas é o de Amaná, no município de Maués, às proximidades da rodovia Transamazônica. No final de 1994, ali atuavam quatro mil garimpeiros. Eles eram acusados de causar grandes danos ao meio ambiente da região.

(Jornal do Brasil, Rio de Janeiro/RJ, 08/12/1994)

Ouro no Amapá

A Companhia de Mineração do Amapá (CMA), holding controladora da Mineração Novo Astro e da Companhia de Mineração e Participação (CMP), era a quinta maior produtora de ouro do país. Em 1990 produziu 1.500 quilos, extraídos da mina Salamangone, localizada em Lourenço, Calçoene, no Amapá.

Essa jazida, com vida útil estimada em 20 anos, continha mais de 20 toneladas do minério, explorado através de lavra subterrânea. A CMA e a CMP foram criadas em 1983. O capital votante foi dividido entre Eike Baptista (filho de Eliezer Baptista), com 33%; Olavo Monteiro de Carvalho (grupo Monteiro Aranha), com 27,3%; Antônio Dias Leite Neto, com 24.9%, e a canadense TVX Minning Co., com 11,8%. O restante foi pulverizado entre outros acionistas.

(Gazeta Mercantil, São Paulo/SP, 28/09/1991)

PM contra garimpeiros

Em dezembro de 1987 os garimpeiros de Serra Pelada ocuparam a ponte rodoferroviária sobre o rio Tocantins, em Marabá, no Pará, numa manifestação de protesto. O governador do Estado, Hélio Gueiros, determinou a desobstrução da ponte pela Polícia Militar, que recorreu à força para retirar do local os garimpeiros, 5 mil ou 10 mil, segundo as diversas estatísticas apresentadas. No choque com a tropa, composta por 350 soldados, três garimpeiros teriam sido mortos, segundo a versão oficial. Os garimpeiros se referiram a quatro mortos e 20 desaparecidos.

(O Liberal,Belém/PA, 11/01/1988)