Ex-deputado condenado

Em 1993, o ex-deputado estadual Osvaldo dos Reis Mutran, mais conhecido como Vavá Mutran, foi condenado a nove anos de prisão pela justiça do Pará. Ele foi apontado como o mandante do assassinato de Daniel Lira Mourão, fiscal de tributos da Secretaria da Fazenda do Estado, morto a tiros em sua própria casa, no município de Marabá. Mourão havia se recusado a liberar uma carreta que transportava 20 cabeças de gado, de propriedade de Mutran, usando notas fiscais “frias”. O ex-parlamentar escreveu um bilhete ao fiscal, solicitando a liberação da carreta, mas não foi atendido.

Ao ser condenado, ele foi recolhido ao Hospital da Polícia Militar, em Belém, sob a alegação de sofrer de “cardiopatia hipertensiva”. Cumpriu mais de dois anos da pena no hospital, até ser liberado, em julho de 1995, graças a um indulto concedido pelo Conselho de Política Criminal e Penitenciária do Estado.

Fonte: O Liberal (Belém/PA), 05/07/1995

Pistoleiros de Josélio

Em 1995, a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Pará acusou o fazendeiro capixaba Josélio Barros Carneiro de utilizar pelo menos uma de suas duas fazendas, às proximidades da rodovia Belém-Brasília, para encobrir assassinatos cometidos por pistoleiros a seu mando. Em uma dessas fazendas o delegado João Moraes, da Polícia Civil, encontrou várias ossadas.

O principal pistoleiro seria o mineiro Aldércio Nunes Leite, procurado em seu Estado de origem por vários crimes, entre os quais a matança de cinco pessoas, em 1990, que ficou conhecido como a chacina de Marcancheta.

Aldércio fugiu para o Pará, sendo contratado por Josélio, juntamente com outro pistoleiro, conhecido como Raí. Eles teriam praticado vários assassinatos nos municípios de Dom Eliseu e Rondon do Pará, onde ficam as fazendas Techagaú e Nova Délhi, de Josélio.

Fonte: O Liberal (Belém/PA), 06/07/1995

PM expulsa posseiros

Seis agricultores, um policial, e mais quatro pessoas ficaram feridas, durante um choque entre PMs e sem-terra na Gleba Sudoeste, no município de São Félix do Xingu, 900 quilômetros ao sul de Belém, no Pará. Mesmo sem mandado judicial, uma tropa da Polícia Militar foi à área para a retirada de lavradores, a pedido do fazendeiro Geraldo Ribeiro, que se declarava proprietário das terras.

Ele acusava os sem-terra de terem ultrapassado os limites do assentamento e penetrado em sua propriedade. A ocupação começara em julho de 1994, sendo considerada pelo governo do Estado como um exemplo de assentamento pacífico.

Fonte: O Estado de S. Paulo (São Paulo/SP), 30/06/1995

Grilagem em Belém

A grilagem de terras criou uma situação inusitada no Pará: em junho de 1995, o delegado da Divisão de Investigações e Operações Especiais da Secretaria de Segurança Pública do Estado. Gilvandro Furtado, requereu na justiça um habeas corpus para poder continuar presidindo inquérito instaurado para apurar denúncias de grilagem sobre uma área equivalente a 8% de todo o território estadual, o segundo maior do Brasil.

Um pouco antes, o desembargador Calistrato Alves de Mattos, acolhendo recurso de um dos acusados de grilagem, determinara liminarmente o trancamento do inquérito. Ao recorrer ao HC, o delegado argumentou que a decisão do desembargador o impedia de cumprir o prazo legal para concluir o inquérito, expondo-o a sanções. O inquérito fora instaurado a pedido do Iterpa (Instituto de Terras do Pará), que denunciara a apropriação irregular de terras estaduais por particulares.

Fonte: A Província do Pará (Belém/PA), 24/06/1995

Acidente com avião do garimpo

Um avião monomotor prefixo PT-DVF caiu perto de Fordlândia, no dia 12 de março de 1986, matando seus três ocupantes. O acidente ocorreu no meio da viagem entre Itaituba e Santarém, na região oeste do Pará. Morreram o piloto Ernane Machado Livio e o copiloto Júlio Belo Neto, mais o único passageiro, Nivaldo Luís Pereira da Silva, escrivão da Polícia Federal, que transportava um relatório sobre a “Operação Ouro”, executada pela PF para garantir a segurança na comercialização de ouro dos vários garimpos existentes no vale do rio Tapajós junto à Caixa Econômica Federal.

Fonte: Arquivo Pessoal, 14/03/1986

Minerais radioativos

Em 1968, a Polícia Federal realizou a operação “X-TH contra o garimpo Atômico”, destinada a apurar a existência de uma rede de contrabandistas de minerais radioativos. Ela foi desencadeada a partir da descoberta de minérios com alto teor de radioatividade em Xambioá e outros pontos do norte de Goiás (atual Tocantins). O principal suspeito de liderar o contrabando era o paraense Vinícius Barbosa de Lima, que havia transportado várias cargas de minério de Xambioá para outras regiões brasileiras.

Fonte: Folha do Norte (Belém/PA), 11/06/1968

O MST chega ao Pará

Em junho de 1991, a Polícia Federal e a Polícia Militar do Pará, em operação conjunta, prenderam cinco homens e duas mulheres acusados de organizar e patrocinar a invasão de terras no sul do Estado. Os sete integravam a Associação Nacional de Cooperação Agrícola (Anca), entidade ligada ao Movimento dos Sem Terra, com sede em São Paulo e representação em todos os Estados brasileiros.

No Pará. a organização se instalou em 1990 e em Marabá, onde os sete foram presos, três meses antes da operação policial. Ao invadir a sede da entidade em Marabá, a polícia não encontrou nenhuma arma, nem houve resistência, mas os sete presos foram acusados de “formação de bando, por armazenar farto material de propaganda ideológica, folhetos de instrução para invasão de terra, relatórios e panfletos”.

Eles estariam planejando a invasão da fazenda Ponta de Pedras, que já havia sido desapropriada. O mesmo grupo teria liderado a invasão da sede do Incra em Conceição do Araguaia. O líder do grupo seria Dimas Pereira de Melo, que havia feito um curso em Havana. A Anca era responsável pela edição do jornal “Sem Terra”.

FONTE: O Liberal (Belém/PA), 19/06/1991